A beleza não elimina a tragédia, mas a torna suportável.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Vida que te quero viva!



A vida é uma eterna caixinha de surpresas! Mesmo prevendo o que nos espera surpreendemos com sorrisos, lágrimas, poesias, ausências e indiferenças. É o ciclo se completando no amor, na dor, no ser e estar! E não adianta fugir, cedo ou tarde passaremos por estas estradas! É Preciso nos preparar, pois evitar é impossível! É a vida e suas voltas. Reviravoltas.
Raquel Fernandes.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Pra você (Zezé di Camargo e Paula Fernandes)





Eu quero ser pra você
A alegria de uma chegada
Clarão trazendo o dia
Iluminando a sacada

Eu quero ser pra você
A confiança o que te faz
Te faz sonhar todo dia
Sabendo que pode mais

Eu quero ser ao teu lado
Encontro inesperado
O arrepio de um beijo bom
Eu quero ser sua paz a melodia capaz
De fazer você dançar

Eu quero ser pra você
A lua iluminando o sol
Quero acordar todo dia
Pra te fazer todo o meu amor

Eu quero ser pra você
Braços abertos a te envolver
E a cada novo sorriso teu
Serei feliz por amar você

Se eu vivo pra você
Se eu canto pra você
Pra você



sábado, 28 de maio de 2011

                    
 “Me traz você, por favor. Me traz e leva embora todas essas coisas chatas que só servem para ocupar minhas horas enquanto você não chega….” Tati Bernardi
           

"Pior do que a voz que cala, é um silêncio que fala." Não existe definição melhor para este 'estado' do que esta frase de Martha Medeiros.



O "silencio que fala" nos consome, nos enche de ansiedade, esperança e desesperança de um minuto a outro. É a vida e os acontecimentos repensados. São sonhos revividos a espera de uma resposta. É a angustia do 'não' se fazendo e refazendo a cada instante, no telefone que não toca, na tempestade que não vem. No beijo que não ganhei. No apoio que não recebi. O silencio me responde mesmo estando camuflado nos movimentos. É uma ausência cheia de presença. O reconheço na dor. Na saudade. Na multidão apressada. No afeto fugaz.  Ele me trás verdades absolutas e inquestionáveis. Sei que ele ta presente quando censuro meus pensamentos. Quando meu ‘alter ego’ toma as rédeas  da situação, colocando coerência onde só existe ilusão. Entender a resposta no silencio é ver além das aparências. É analisar sentimentos, buscar significados, rever decisões. Ler nas entrelinhas. São atos. Conseqüências. Sensações. Questionamentos.
Atesto com conhecimento de causa, esta é a resposta mais doída que já tive o desprazer de sentir: o ‘não’ presente no olhar. Alias todos os ‘nãos’ ditos sem a emissão de uma palavra, em sua maioria nos faz sofrer mas também nos impulsiona a novos caminhos, novos horizontes, novos limites, outras pessoas e novas sensações. Se é bom ou ruim, só o tempo dirá! 
Raquel Fernandes.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Quem procura acha!

Estive hoje pela manhã perambulando pelas lojas de departamento Riachuello e C&A a procura de novidades. Encontrei muitas opções, claro que dentro do estilo de cada uma.  Na Riachuello tem umas camisas xadrezes que se assemelha à flanela by Cris Barros lindas, não resisti e comprei (foto). Uma boa pedida para o mês das festas juninas que estamos prestes a entrar!
Na C&A as camisas também estão lindas, mas o que me chamou a atenção foram os calçados, marcas conhecidas e super confortáveis. Fiquei apaixonada por uma sandália vermelha de salto (foto abaixo)! Os agasalhos são uma boa pedida também! Vale a pena conferir as coleções mês dos namorados das duas, peças transadas, bons preços e qualidade! Eu super indico! Eu compro!























Recomendo que vá à loja, mas se quiserem  fazer uma excursão rápida pelo site aqui está:

http://www.cea.com.br/colecao/namorados2011

http://www.riachuelo.com.br/

Algumas vezes eu fiz muito mal para pessoas que me amaram. Não é paranóia não. É verdade. Sou tão talvez neuroticamente individualista que, quando acontece de alguém parecer aos meus olhos uma ameaça a essa individualidade, fico imediatamente cheio de espinhos – e corto relacionamentos com a maior frieza, às vezes firo, sou agressivo e tal. É preciso acabar com esse medo de ser tocado lá no fundo. Ou é preciso que alguém me toque profundamente para acabar com isso.

Caio Fernando Abreu.

quinta-feira, 26 de maio de 2011


Saudades de poder olhar a vida sem preocupação, medo ou expectativa! Quanto mais o tempo passa maiores são os porquês, as exclamações, as protelações! Não estou falando do campo pessoal ou emocional. Falo de todos os momentos. Falo da complexidade de uma vida e seu dia a dia. Qualquer dia. Com ou sem companhia. Falo de perdão. Amor. Irmão. Pai. Mãe. Arroz com feijão. 
Falo de quando não dependia de mim as decisões mais simples como ‘onde estudar'. As médias, ‘lavar ou passar’ e até as mais complexas, preocupantes e fundamentais como ‘onde  foi’, ‘estava com quem’, ‘tudo bem no trabalho’?
 Saudade da rebeldia, companheira inseparável  que me colocou em várias ‘frias’, anunciadas pelo tom de voz. Saudade das historias que ouvia atrás da porta (era proibido para crianças). Não tenho saudades das surras que já levei, rsrs, mas reconheço que foram necessárias e até agradeço! Claro aos 18 anos não pensava assim.
 A saudade que existe dentro de mim é significativa e ao mesmo tempo contraditória. São histórias, personagens, realidades e situações. Verdadeira linha do tempo, lembranças boas, sentimentos sinceros, pessoas inesquecíveis. 
Maturidade. Experiência. Vivência ..... Saudade!

Raquel Fernandes


quarta-feira, 25 de maio de 2011

Interpretando a própria vida!

  
A vida nada mais é que um espetáculo a céu aberto. Não precisa pagar ingresso para assistir os desacertos, as dores, os amores, a solidão e nem o final feliz.
Basta olhar para o lado que a cena acontece em tempo real. Ao vivo. Em cores e até em 3 dimensões.
A arte imita a vida no que há de melhor! E pior também! Os espectadores tecem os fios, aparam as sobras, recortam os sinais e costuram personagens para mais um dia de interpretação!
Sem contra regra ou produtor as cenas são gravadas na memória, na historia e no coração.
A alma se encanta pela vida, pela paixão. Verso e reverso. É o tempo e a razão seguindo seu curso, ainda que na contramão.  
Raquel Fernandes.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Hora de curtir boa musica!

Que música! Que olhar! Que lindos!


Aprendendo a gostar.

Nunca fui muito ligada em maquiagem e até pouco tempo não sabia passar uma sombra, até aparecer na minha vida uma pessoa que não fica sem maquiagem momento algum, e ela tem me dado algumas aulas e dicas. Confesso que tenho muita dificuldade para o delineador ou lápis, não tenho coordenação motora o suficiente para aplicar, mas estou aprendendo, na foto a maquiagem, eu que fiz.


Dicas para você não errar na maquiagem:

·                                 Sombra;
A maioria das mulheres erra na aplicação da sombra, pois exageram na quantidade. Para o uso de sombra durante o dia basta apenas uma pequena dose de brilho em tons dourados, para quem tem a pele morena, ou rosa se for branca.

·                                 Delineador;
Deve-se fazer um traço fino contornando tanto a parte superior quanto a parte inferior dos olhos.

·                                 Base;
O tom da base deve ir de acordo com o tom da sua pele, lembrando que durante o verão, quando a pele está bronzeada não é possível usar o mesmo tom de base que no inverno, quando a pele naturalmente fica mais pálida.
Algumas mulheres usam bases muito escuras para o rosto, para ter um efeito de pele bronzeada, e acabam se esquecendo que o colo continua branco. Como é incômodo aplicar base no colo, visto que as roupas podem ficar manchadas, é melhor utilizar uma base com uma cor que não se diferencie do seu colo.

·                                 Corretivo;
O corretivo deve ser usado apenas para cobrir as olheiras. Não devendo ser aplicado em todo o setor embaixo do olho, caso contrário destacará ainda mais as olheiras. O segredo está em cobrir somente a zona sombreada e com pouca quantidade.

·                                 Maquiagem e seu contraste com a luz artificial e luz natural
Quando expostos à luz natural e a luz artificial as cores e o brilho ficam muito diferentes, é por isso que a maquiagem para a noite é mais intensa, visto que seu efeito sob as luzes artificiais é diferente.

·                                 Blush;
Uma boa maneira de aplicar o blush é sorrindo. Sorria e aplique somente sobre a parte pronunciada do seu rosto e nada mais.

·                                 Lábios delineados;
Algumas mulheres utilizam um lápis mais escuro para contornar os lábios, cometendo um erro, pois, o batom pode sair e permanecer apenas o delineador. O ideal seria que o lápis fosse do mesmo tom da pele.

·                                 Máscara;
O uso exagerado de máscara nos cílios acaba deixando-os com um aspecto de pesados, muito pretos. Seu olhar deve chamar a atenção sem perder a naturalidade. E os cílios inferiores devem ter ainda menos produto do que a quantidade aplicada nos superiores.

Mais dicas neste site: http://www.soudiva.com Espero que tenham gostado das dicas. Aliás, que tal dividirmos dicas e experiências sobre maquiagens e afins? É só postar nos comentários!
Obrigada!

Beijosssssss!


segunda-feira, 23 de maio de 2011



Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras.
Rubem Alves
 Tenho desejos por ti! Não são simples desejos....são extensos, vagarosos, delicados, intensos, impublicáveis. Adoravelmente irresponsáveis, loucos, sedentos, inimagináveis. Deliciosamente indecente, latente, desses que acaba com a gente!
Raquel Fernandes

domingo, 22 de maio de 2011

"Abrir mão não quer dizer que eu não queria." (Clarice Lispector)


As vezes bate uma saudadeeeeee.............. aí paro, penso, sinto, respiro
fundo e sigo adiante....voltar não dá mais! Foram muitos nãos, nenhum
sim e no ar a impressão de um talvez... vou em frente, viver de um talvez
é caminhar no vazio, é sonhar em enigma, viver no suspense, amar no escuro.
É buscar o sol e encontrar somente a escuridão.
É querer sorrir e não achar motivo. É nadar em pleno sertão.
Saudade....as vezes gosto de senti-la. Fico mais perto de mim, com meus grilos,
medos, anseios, dúvidas. Me faz refletir, reclamar, arrepender, desejar.
Me faz querer experimentar novamente os beijos, o cheiro, o abraço, cair no laço.
Por tantos motivos e tantos nãos, preciso ir à direção certa, sair da contramão.
Às vezes gosto da  solidão, da sensação de abandono, do querer e não poder!
Do sabor amargo e ao mesmo tempo doce das lembranças, dos encontros, dos desacertos.
Do impossível se realizando. Gosto de sonhar acordada, imaginar nossos corpos grudados, a boca, o pescoço, o tato.
Saudade....quando vem abala, maior cilada!
E assim, dia após dia, vou levando, vivendo, morrendo, me refazendo! 

Raquel Fernandes.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Conhecendo Cecilia Meireles.

- Sua infância foi marcada pela dor e solidão, pois perdeu a mãe com apenas três anos de idade e o pai não chegou a conhecer (morreu antes de seu nascimento). Foi criada pela avó Dona Jacinta. Por volta dos nove anos de idade, Cecília começou a escrever suas primeiras poesias.  
- Em 1919, aos dezoito anos de idade, Cecília Meireles publicou seu primeiro livro de poesias, Espectro, um conjunto de sonetos simbolistas. Embora vivesse sob a influência do Modernismo, e formou-se professora.
- No ano de 1922, Cecília casou-se com o pintor Fernando Correia Dias. Com ele, a escritora teve três filhas. 
- O marido suicidou-se em 1936, após vários anos de sofrimento por depressão. O novo casamento de Cecília aconteceu somente em 1940, quando conheceu o engenheiro agrônomo Heitor Vinícius da Silveira.
- Teve ainda importante atuação como jornalista, com publicações diárias sobre problemas na educação, área à qual se manteve ligada, tendo fundado, em 1934, a primeira biblioteca infantil do Brasil.
- Cecília foi uma das maiores poetisas do Brasil, Raimundo Fagner que o diga. Gravou várias músicas tendo seus poemas como base. A exemplo de "Canteiros", "Motivo", e tantos outros.


 Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.

Cecilia Meireles


Quero o meu pedaço....aquele que você sem autorização pegou, brincou e sem qualquer escrúpulo abandonou.....quero meu coração solitário, cheio somente de amor e dor, perdido pelo caminho não desabrochou.
Raquel Fernandes.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Simplesmente Clarice!


- De origem judaica, terceira filha de Pinkouss e de Mania Lispector. A família de Clarice sofreu a perseguição aos judeus, durante a Guerra Civil Russa de 1918-1921. 
 - Chegou no Brasil quando tinha dois meses de idade.[1] Sempre quando questionada de sua nacionalidade, Clarice afirmava não ter nenhuma ligação com a Ucrânia, "Naquela terra eu literalmente nunca pisei: fui carregada de colo", e que sua verdadeira pátria era o Brasil.
- Clarice Lispector começou a escrever logo que aprendeu a ler, na cidade do Recife, onde passou parte da infância.
- Sua mãe morreu em 21 de setembro de 1930 (Clarice tinha apenas 9 anos), após vários anos sofrendo com as consequências da Sífilis, supostamente contraída por conta de um estupro sofrido durante a Guerra Civil Russa enquanto a família ainda estava na Ucrânia. Clarice sofreu com a morte da mãe, e muitos de seus textos refletem a culpa que a autora sentia e figuras de milagres que salvariam sua mãe. 
A obra de Clarice ultrapassa qualquer tentativa de classificação. A escritora e filósofa francesa Hélène Cixous vai ao ponto de dizer que há uma literatura brasileira A.C. (Antes da Clarice) e D.C. (Depois da Clarice).
- Em artigo publicado no jornal The New York Times, no dia 11/03/2005, a escritora foi descrita como o equivalente de Kafka na literatura latino-americana. A afirmação foi feita por Gregory Rabassa, tradutor para o inglês de Jorge Amado, Gabriel García Márquez, Mario Vargas Llosa e de Clarice.


"... uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida. Foi apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteira, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso."
Clarice Lispector.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Luís Fernando Veríssimo

Curiosidades: 

-É muito ligado com a família (é casado e tem três filhos)
-É torcedor do Internacional
-Adora Jazz
-Estudou música em Washington e toca saxofone
-É tradutor, cartunista, cronista, humorista
-Escreve textos de humor em jornais
-Criou a charge “As Cobras”
-Luis Fernando Veríssimo criou quadros para o programa “Planeta dos Macacos” da Rede Globo e para a série “Comédias da Vida Privada”.
-Também escreveu para as revistas Playboy, Cláudia, Domingo, Veja, Zero Hora (jornal), Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo.
-Apesar de ser considerado um homem tímido, em 2000, foi homenageado por uma Escola de Samba de Porto Alegre.


Dez Coisas que Levei Anos Para Aprender (Luís Fernando Veríssimo).

1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.

2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.

3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.

4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.

5. Não confunda nunca sua carreira com sua vida.

6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.

7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria "reuniões".

8. Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".

9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.

10. Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.


segunda-feira, 16 de maio de 2011

CURIOSIDADES SOBRE MÁRIO QUINTANA

Por ocasião da segunda visita de João Paulo II a Porto Alegre, em 1991, Mario resolveu escrever uma carta ao Papa. Quintana achava que o Pontífice tinha certa dificuldade em pronunciar o fonema “ao” (irmáos), que sempre soava como aberto. Preocupado, nosso poeta, um paladino do vernáculo, temia que a expressão “pão dos pobres” fosse pronunciada – por exemplo, sem o til, soando como “pau dos pobres”. Na verdade a mensagem era uma singela e bem humorada dica de pronúncia de português. Já debilitado pela idade avançada e com as mãos muito trêmulas para redigir, ele ditou o texto que deveria ser enviado ao Papa João Pulo II. Contudo, quem foi escolhida para enviar a carta ao Vaticano, a dramaturga Eloí Calage, acabou esquecendo o rascunho guardado dentro das páginas de um livro, reencontrado apenas onze anos depois. Por conta do cochilo de Eloí, nem o Papa recebeu a lição de português nem o poeta recebeu a benção...
Para expiar sua culpa, Calege publicou o texto em 2003, na passagem dos nove anos da morte do poeta, pensador, tradutor Mario Quintana, que reproduzo aqui:

Para sua Santidade Papa João Paulo II

"Sendo Vossa Santidade um Poliglota notável, vejo que
não consegue pronunciar o famoso “ão” da
língua portuguesa e tomo a liberdade 
de esclarecê-lo sobre esta pronúncia.
Considere o “ao” como dois monossílabos
“ã” mais “o” e tente pronunciá-los cada vez mais
rapidamente. Assim obterá o nosso “ão”.
Esperando a sua benção,
Respeitosamente

Mario Quintana"


OS POEMAS

" Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes 
que o alimento deles já estava em ti..."
(Mário Quintana) Esconderijos do tempo




Nós só crescemos para o bem quando deixamos de dar atenção para os
falsos que nos interpelam pelo caminho disfarçados de boa gente!! 
Graças a Deus estou vacinada contra essa hipocrisia!
Raquel Fernandes.

sábado, 14 de maio de 2011

Transgredir! Assumir! Ser!


Sabe aquele dia que a paciência está por um fio? Que tudo que se diga ou faça te irrita profundamente? Pois é, hoje me sinto assim...impaciente, indiferente, incomodada.
Não me pergunte o porquê, eu sei os motivos, isso me irrita mais ainda e só aumenta a insatisfação.
Sabe aquele dia que você acorda e dentro de si uma força, uma vontade de transgredir todas as regras vem à tona? Esse fogo ta me consumindo. Quero esquecer todos os padrões. Todas as conseqüências. Enfiar o pé na jaca literalmente. Dar mancada. Pagar mico. Mais que qualquer coisa eu quero a liberdade, tomar um porre, dar vexame, chorar, sorrir. Desabafar.
Lamentar amores perdidos, dar risada por qualquer motivo. Arrepender dos sonhos esquecidos. Fazer confidencia. Discutir relações, buscar respostas.  Admitir fracassos. Assumir erros. Pesar os acertos.
Falar abertamente dos sentimentos que tenho tido e das contradições que tenho vivido.
Das mentiras que invento. Dos pensamentos loucos e algumas vezes insanos que tenho.
Falar dos meus medos. Das expectativas. Da vontade de amar o desconhecido. Da saudade sem explicação de alguém que só vejo nos meus sonhos. De tudo que já vivi, de tudo que estou vivendo, de tudo que quero viver. Do olhar de cobiça que me tenta. Do sorriso cheio de intenções. Das emoções, das limitações. De sorrir por besteira.
Falar dos pensamentos que me assombram. Da mediocridade que me cerca. Das juras falsas. Eu sou o que sinto. O que penso é meu alento. O que me norteia foge ao  convencional, ao ético e ao normal. Para alguns é até imoral.
A despeito das minhas reflexões chego à seguinte conclusão: não me arrependo dos meus pensamentos, dos meus desejos, das minhas falhas. Os momentos são únicos, as experiências válidas e as pessoas especiais. É  assim que me encontro. E me encontrando também encontro meus anseios, meus sonhos, o que me impulsiona  à vida e o que me livra da morte. Apesar de tudo tenho sorte e sou forte!

Raquel Fernandes.


sexta-feira, 13 de maio de 2011

'Dentro da alma das pessoas, sem exceção, existe uma oração de alegria.
Vamos plantar caquizeiros.'
Rubem Alves

Tudo pode acontecer...!


Quando a vi na minha frente não acreditei.
Cabelos soltos, olhar displicente!
No rosto marcas da desilusão, amar não era sua intenção!

Nos meus sonhos ela sempre aparecia,
Me encantava com sua  dança, com sua alegria.
Estava apaixonado por uma miragem, uma fantasia!

Agora, de repente, ela surge na minha frente
Não sabia quem eu era nem o que sentia.
Meu coração acelerado batia, era ela o amor
Dos meus sonhos, o encanto da minha vida!
E beijá-la era tudo que queria!

Raquel Fernandes.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Mais que um fragmento!


Fragmentos não me definem! Não sou feita de pedaços ou situações! Sou feita de pó, água, areia  e solidão. Pedra bruta lapidada pelo tempo. Vez ou outra  as pontas e quinas ficam aparentes, abrem-se feridas antigas, sangram sem razão. São altos e baixos, sonhos e emoções. Sentimentos na pele, marcas no coração. São palavras amargas carregadas de desilusão, decepção e desamor.
São momentos, realizações e sensações. É a dança da vida celebrando o inesperado. É o sonho perdido, o passo em falso. É o amor sem sentido sonhado acordado. É a valsa. O choro. O tempo. A chuva.O nada! 

Raquel Fernandes.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Vitoriosa

Quero sua risada mais gostosa
Esse seu jeito de achar
Que a vida pode ser maravilhosa...

Quero sua alegria escandalosa
Vitoriosa por não ter
Vergonha de aprender como se goza...

Quero toda sua pouca castidade
Quero toda sua louca liberdade
Quero toda essa vontade
De passar dos seus limites
E ir além, e ir além...

Ivan Lins


terça-feira, 10 de maio de 2011

"Não sabia que era precisamente esse fracasso que me 
levaria ao lugar que desejava. 
As correntes do rio profundo foram mais
generosas que o meu remar contra elas. 
Não cheguei aonde planejei ir. 
Cheguei, sem querer, aonde meu coração queria chegar, 
sem que eu o soubesse."

Rubem Alves

Entre querer e poder existe uma frágil linha tênue! Com pessoas, historias, situações 
e realidades que nos aproximam ou distanciam. E o “improvável pode acontecer!”

Raquel Fernandes


"Deixe de sonhar ilusões e comece a realizar os sonhos."
Victor Chaves.
- Sempre, sempre!  -


domingo, 8 de maio de 2011

É aqui,
Que exponho minha vida. Ida sem volta.
É aqui,
Que dilacero.
Que choro.
Que vôo.
Que desejo, posso e quero.
É aqui,
 Que provo seu beijo indecente.
Que vivo os sonhos que sonhei pra gente.
É aqui,
Que te busco.
Que te tenho.
Que te assumo.
É aqui,
 Meu disfarce.
Aconchego no fim de tarde
É aqui,
Que vivo, morro, e supero.
Que canto, amo e espero.

Raquel Fernandes.

Parabéns Mães!!

Mãe(s) de sangue e de coração, em cada pedaço de mim, tijolo e argamassa, está presente um pedaço de você(s).  Ação e emoção. Amor e dor. Atitude e respeito. Doação, esperança e humildade.
Por você(s) sou o que sou hoje, o que serei amanhã e depois também...
Obrigada pelo 'sim' e pelo 'não' que muitas vezes disseram pensando unicamente em mim e nos valores agregados a eles.
Obrigada por me trazer à vida, por me abrigar nesta família, por me amar incondicionalmente.....o exemplo que tenho de mãe, família, amor, dignidade e respeito conheci com você(s).
As 'amo' sem medida, peso, ou qualquer outro sentimento que não seja simplesmente "AMOR".
Feliz dia das mães! Mesmo distante hoje estamos em comunhão por este sentimento que nos une, fortifica e perpetua!
Raquel Fernandes.
Mães!
Mulheres que mostram no aço da dureza humana, a flor da Graça divina que costuma nos surpreender generosa. (Pe. Fabio de Melo)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

A dica é perseverar sempre! Mesmo que vc não veja a "luz" no fim do túnel tem que acreditar! Eu acredito e ponto.
Raquel Fernandes


'Eu sou essa gente que se dói inteira... porque não vive só na superfície das coisas'.
 Marla de Queiroz


'Você chora baixinho sem porquê.
 Cito Nietzsche pra explicar porque faz isso. 
Você não tem pouco, 
só deseja demais. 
E te beijo, e te cheiro,
 e irrito tua pele com a barba curta,
 seus pelos respondem, 
e como dois corpos 
não ocupam o mesmo lugar, 
você precisa sair de si 
pra que eu possa entrar.'

[Gabito Nunes]

quinta-feira, 5 de maio de 2011


"Eu tenho um caso de amor com a vida!"
(Rubem Alves) 

- Sempre, sempre!  -


Você é quem decide o que vai ser eterno em você, no seu coração. 
“Deus nos dá o dom de eternizar em nós o que vale a pena, e esquecer definitivamente aquilo que não vale...”
 ( Pe. Fábio de Melo)


Não é raro, tropeço e caio. Ás vezes, tombo feio de ralar o coração. Claro que dói mas tem uma coisa: a minha fé continua em pé. Tudo que é verdadeiro, volta.
Caio Fernando Abreu

E a vida continua...


Será que é só comigo esse negocio que aperta o peito, que esfria a coluna dorsal e me deixa melancólica, pensativa, emotiva, frustrada? Doença? Acho que sim, doença da alma: Perda da Identidade.
As perguntas são muitas, as respostas nem sempre são as que pedem nosso coração. quem sou? Quem fui? O que eu tenho? Pra onde vou? Quem me ama? Eu amo?E a minha vida? O que faço?
Não pensei que isso pudesse acontecer com tamanha intensidade. São avalanches de sentimentos. Todos questionadores. Inquisidores. Testando minha calma. Apavorando minha alma. Sinto falta de novas sensações, novas provocações. São metas, sonhos, objetivos, expectativas. É o desejo de novos ares, horizontes ainda não avistados.
Preciso de algo que norteie o meu rumo e me encha de esperança. É a dúvida que assola. A verdade que espreita. É a nossa existência denunciando a rotina que primeiro nos conforta, nos dá segurança, onde descansamos das lutas anteriores e acreditamos na promessa do eterno. Depois vêm as insatisfações, as falhas, os arrependimentos. Somos feitos de desafios, objetivos, lutas, derrotas, vencidos e vencedores.
Nossa existência só tem sentido quando defendemos  uma causa, quando apresentamos um projeto e “brigamos” todos os dias pela sua realização.
 Descobri que a motivação está no objetivo a alcançar.  Sonho realizado é sonho passado. O que me move são os desafios, é a busca, a consagração. Passado este momento quero me jogar, pegar outra estrada e recomeçar a caminhada.
A insatisfação grita dentro de mim, acreditei que realizando objetivos estaria completa,  acreditei nesse mundo colorido que me foi apresentado e deixei o dia a dia jogar os meus sonhos, meus desejos, pra baixo do tapete. Troquei a luta e a busca pela comodidade. Pelo sossego e pela calma.
 Se é tarde ou não pra acordar e recomeçar não sei, depois de tantos anos de alienação, submissão, retirar as rédeas, cortar os laços tem suas implicações. É a razão jogando contra a emoção, e nas coisas do coração tomar atitude, decisão que envolva outras pessoas requer cuidado e responsabilidade, não pode ser em vão. 
Raquel Fernandes.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Desabafo!

 
 Tenho pensamentos estranhos, ambíguos, controversos. Preciso expor em palavras o que vai à alma. É sentimento sem nexo. Mergulhar no deserto. Amar o incorreto.
Tento ser indiferente agir com a razão, dizer não aos apelos do coração. 
Quero ficar tonto de desejo, soltar fogos de artifício cada vez que me tocar com os olhos. Quero o arrepio na nuca, sussurro no ouvido, desejo transbordando nos poros.
Tenho sede dos melhores vinhos degustados em sua boca.
Quero tragar seu perfume, me embriagar no seu cheiro, me perder no seu beijo.
Tenho vontade das loucuras mais quentes, do amor desmedido, do seu corpo saliente.
Quero sentir o amargo desejo preso no entrelaçar de nossos dedos.
Você é minha inspiração, fantasia e lamentação.
Quero prová-lo milimetricamente, sorver seu sorriso em goles pequenos e lentos.
Por você eu me encontro, em você eu me perco e morro de prazer.
De você eu quero a fome, o sonho explícito e do improvável constante.

Raquel Fernandes.
             


domingo, 1 de maio de 2011



"[...] Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!"

[Clarice Lispector]